sábado, 25 de abril de 2009

Das coisas que eu VOU sentir falta e o preço da teimosia

Minha teimosia veio junto com o meu código genético e vem sendo transmitida há várias gerações da família Teixeira Melo, juntamente com o sexto dedo da mão. É isso mesmo, na nossa família é assim: pra ser verdadeiramente um "orelha seca" tem que vir com o sexto dedo pra ser certificado (pros que dormiam na aula de Biologia, isso se chama polidactilia). O Vinícius não negou a raça.

Vamos pra onde eu queria chegar: uma das coisas que mais curti depois de desembarcar nessas terras foi ver montanhas pra todos os lados e, claro, a neve! Simplesmente uma coisa de louco, um desejo de criança realizado. Aí já viu, cearense na neve é um bicho matuto; não sabe se caí de boca, se rola no chão, se faz guerrinhas ou se inventa de fazer boneco de neve. Sem dúvidas achei outros itens pra minha lista das coisas que eu vou sentir falta: a montanha, a neve e esquiar.

Pois bem, a primeira vez qui vi neve na vida foi nos Piruneus em dez de 2004, quando vim passar 3 meses com o Xande na época do mestrado dele, e inventei de esquiar (olhe que a minha relação com o esporte é mais ou menos como o diabo foge da cruz).

Apesar de descobrir músculos que nem sabia que existiam no meu corpo, de ganhar vários roxos e de celebrar a noite de Ano Novo às 22 horas de tão morta que estava, adorei nosso primeiro dia de esqui; é uma sensação única! E no dia seguinte, lá estávamos nós mais uma vez. Só que dessa vez a gaiata aqui ganhou confiança no dia anterior e achou que já podia muita coisa, ou seja, me estrepei todinha, fiquei à la Ronaldinho no ano 2000: chorando e morrendo de dor no joelho. Daí pra frente foi tudo surreal: outras pessoas chamaram a equipe de socorro da estação, fui transportada numa maca naqueles carrinhos de neve direto pra ambulância e de lá pro hospital. Resumindo: tive uma entorse no joelho, passei um mês e meio andando de muletas e fiz umas quinze sessões de fisioterapia. Massa pra quem estava de férias!

Agora tô sentindo que fechei um ciclo. Depois que viemos morar aqui, não satisfeita com a boa desenvoltura da última vez, compramos nossos equipamentos de ski. As estações mais próximas ficam a 1h e meia de carro e a tentação é grande. Pois bem, perdi quase todo o medo e a cada inverno vamos pelos menos umas três vezes esquiar.

Nesse sábado era o encerramento do inverno na última estação ainda aberta e queríamos nos despedir e aproveitar da montanha pela última vez. Não deu outra, fechei com chave de ouro ao estilo MADEEEEEEEEIIIIRA!

As pistas são classificadas pelo nível de dificuldade em cores, da mais fácil para a mais punk: verde, azul, vermelha e preta. Nós já temos um nível bonzinho, não somos mais tão atrapalhados, mas ainda vez ou outra meio abestalhados, ou seja, não passamos vergonha; mas também estamos longe de humilhar.

Voltando ao episódio "madeira", pegamos uma pista vermelha foda que não conhecíamos, eu me desequilibrei, cai e rolei encarnando literalmente o efeito bola de neve durante segundos intermináveis. O Xande teve tempo de ver o episódio, tentar pegar um dos esquis que saiu do meu pé, se desequilibrar também, e continuar a descer de bunda pq tb não conseguia mais se levantar. E eu lá, rolando e pensando: mais que diabos, eu não vou mais parar não, é? Resultado: senti quando o mesmo bendito joelho de quatro anos atrás deu o velho "creco" conhecido e logo previ o que estava por vir. Mas sabe que eu ainda não consegui ficar realmente puta da vida? Mesmo sabendo que as sessões de fisoterapia me aguardam (é nessas horas que eu digo "viva a diversidade" pq ô profissãozinha infeliz), eu só lembro que vi neve pela última vez e ao menos pude descer algumas vezes antes de me quebrar todinha.

Como minha sogra costuma dizer: vale nada não, pra quê montanha se a gente tem as dunas do Cumbuco? Sandboard que nos aguarde!

Up date: Hoje fiz minha 1º sessão de fisioterapia e a coisa é menos grave do que a última vez, mas vou precisar de 3 semanas pra ficar 100% de novo. Ah, e tem nome: entorse do ligamento exterior. A cara do fisioterapeuta quando eu entrei no consultório dele foi impagável. Saí de lá com o conselho de mudar de esporte.

3 comentários:

Luana Colares disse...

kkkkkkk. Muito bom, amiga!!
Ta se despedindo em grande estilo mesmo... fui lendo e pensando: "meu deus, ela só vai se despedir da neve mesmo, pois depois daí é da cama pra fisioterapia e pra o aeroporto!!!
Beijos. Luana

Lu Francesa disse...

Poxa vida! De novo? Espero que vc esteja melhor :)

Beijocas querida

Mulher da peste disse...

Gente, tô melhor. Bem dizer a 100%, mas ainda não me livrei da fisio; coisa de mulherzinha mesmo.

Cheiros nas duas!